Releases











Fernanda Beatriz / Fernanda Elen
(11) 3811-2820 r.: (839) / (11) 3811-2825
fernanda.beatriz@mla.com.br/fernanda@mla.com.br



Imposto abusivo: Empresas de telecom pagam até 37% de ICMS


Carga tributária cobrada no setor é uma das mais altas do mundo

Os países europeus possuem as cargas tributárias mais elevadas. Entretanto, quando comparados aos países latinos, os brasileiros são os que mais desembolsam dinheiro para pagar impostos. Os valores que mais “pesam” no bolso do contribuinte são os tributos sobre o consumo, que incidem serviços e mercadorias adquiridos, como no setor de telecomunicação. Um dos principais é o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), que em 2017, arrecadou mais de R$ 400 bilhões de reais, de acordo com dados disponibilizados pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ).

As alíquotas de ICMS que recaem sobre os serviços de telecomunicações podem alcançar 37% (dependendo do Estado onde está sediada a empresa prestadora dos serviços). Segundo balanço divulgado pela Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), em 2016, os usuários dos serviços de telecomunicações pagaram R$ 64 bilhões em tributos, o que representou um incremento de 6% em relação a 2015. A cada hora, foram pagos R$ 7 milhões em tributos.

“Numa conta de telecomunicações no Estado de São Paulo, cujo valor total é de R$ 100 reais, por exemplo, mais de R$ 40 reais são impostos. Se fosse em Rondônia, local bastante defasado em competição e infraestrutura, o valor alcançaria R$ 70 reais. Isso é um verdadeiro absurdo, porque é altamente regressivo. Quem possui menos recursos, acaba pagando mais. Uma família que recebe um salário de R$ 1 mil por mês, utiliza em média 10% da renda para pagar a conta de telecomunicações e de 4 a 7% do total da sua renda apenas para pagar os impostos desses serviços”, afirma Carlos Eduardo Sedeh, CEO da Megatelecom.

O valor recolhido pelas operadoras com o imposto é repassado aos Estados. A cobrança do ICMS é feita conforme regras definidas pelas Secretarias de Fazenda Estaduais, que definem a alíquota que incidirá sobre os serviços de telecomunicações. Segundo o SindiTelebrasil, as prestadoras apenas recolhem os tributos cobrados sobre os serviços e repassam integralmente aos cofres públicos.

   Alíquota de ICMS sobre    telecomunicações

 

Rondônia

37%

Mato Grosso

32%

Alagoas, Amazonas, Ceará, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Sergipe e Rio de Janeiro

30%

Amapá, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná, Tocantins

29%

 

Distrito Federal

28%

Maranhão, Minas Gerais

27%

Bahia

26%

Acre, Espírito Santo, Piauí, Roraima, Santa Catarina e São Paulo

25%

 

Sedeh explica que serviços como banda larga e telefonia móvel precisam receber um novo tratamento do governo e serem considerados, de fato, essenciais para o desenvolvimento do país – o que significaria aplicar uma redução gradativa nas alíquotas dos impostos para patamares correspondentes a importância estratégica dos serviços de telecomunicações no desenvolvimento social do país (como aplicadas nos tributos de energia elétrica, gás e água que também incidem impostos altos). “Se a porcentagem de tributos não fosse 40%, e sim 20%, sobrariam 20% a mais para investir em infraestrutura”, finaliza.

Sobre a Megatelecom

Megatelecom Telecomunicações S/A atua desde 1999 nos mercados de provimento de acesso à Internet, links de transporte de longa distância e alta capacidade e telefonia. Com o conceito de uma butique de telecomunicações, a Megatelecom oferta soluções customizadas e projetos especiais para clientes corporativos e operadoras de comunicações. A oferta da empresa foca em serviços de valor adicionado, como transmissão de dados com menor latência e projetos de segurança de rede.

http://www.megatelecom.com.br/



Onde estamos

ML&A Comunicações
Alameda Madeira, 53 – Cj. 93 – Centro Empresarial e Industrial de Alphaville
Barueri / SP – Brasil CEP 06454-010
Fale Conosco


Trabalhe Conosco
Clique aqui para enviar seu currículo
Clientes